WhatsApp: como utilizar a tecnologia para amplificar vendas e aproximar clientes

Rafael Mendonça Torres
Rafael Mendonça Torres

O WhatsApp está presente em 99% dos celulares em operação no País, conforme demonstram os números levantados pelo Mobile Time em parceria com a empresa de pesquisas on-line, Opinion Box. O uso da ferramenta para fins comerciais também apresentou um crescimento nos últimos anos e chamou a atenção das empresas. Dados da Panorama de Vendas, desenvolvida pela RD Station, mostram também que o WhatsApp se tornou a ferramenta mais utilizada pelos times de vendas para 86% dos usuários.

Nesse sentido, Marcos Andrade, CSO da 8D Hubify, maior agência de marketing especializada em Revenue Operations do país, lista abaixo quatro estratégias que podem ser utilizadas por meio do aplicativo de mensagens, para converter em vendas e leads.

1. Response Time no WhatsApp 

Muitas empresas enfrentam um adversário silencioso e invisível na sua área comercial. Este adversário é conhecido como “Response Time” ou tempo de resposta, um fator crucial que determina a eficácia da interação com o cliente. O tempo de resposta pode ser definido como a duração que um vendedor leva para entrar em contato com um lead ou cliente que mostrou interesse, por exemplo, o tempo entre a conversão do lead e a primeira chamada do vendedor.

Estudos realizados em 2011 por Oldroyd, McElheran e Elkington, destacam a importância do tempo de resposta. Segundo a pesquisa, empresas que tentaram entrar em contato com clientes potenciais dentro de uma hora após receber uma consulta eram quase sete vezes mais propensas a qualificar o lead. Este número saltou para mais de 60 vezes em comparação com empresas que esperavam 24 horas ou mais.

Agora, considere duas estratégias. A primeira empresa recebe o lead e simplesmente o direciona para a equipe de vendas. Neste caso, a responsabilidade do contato e a padronização recaem sobre a equipe de vendas. Por outro lado, a segunda empresa automatiza o processo de forma que, ao receber um novo lead, um WhatsApp é enviado em tempo real. Isso não apenas aumenta as chances de qualificar o lead e seguir o processo comercial, mas também padroniza os contatos e garante a otimização do processo e velocidade.

Embora possa parecer trivial, Marcos Andrade, especialista em CRM de vendas, confirma a importância desta estratégia. Ele afirma: “As maiores barreiras de performance de CRM vendas que tenho visto nos últimos 10 anos estão relacionadas a problemas comportamentais. Um dos piores deles é o tempo de resposta. Os vendedores muitas vezes negligenciam a importância da rapidez na primeira abordagem, o que definitivamente pode prejudicar a performance de vendas.”

2. Campanhas de reaquecimento de base

Abordar o envio em massa de mensagens é uma tarefa que requer delicadeza, já que esta prática, quando mal utilizada, pode ser facilmente associada a spam. O WhatsApp é rigoroso em relação a isso e, com razão, limita sua ocorrência. No entanto, há uma maneira inteligente e estratégica de utilizar ações de campanha em massa: reativar e engajar bases de contatos que se encontram desinteressadas ou que há muito não interagem com a empresa.

“A aplicação cuidadosa de uma estratégia temporal pode ser uma maneira eficaz de engajar leads, prospects, ex-oportunidades e até clientes, reacendendo seu interesse e potencialmente levando a novas oportunidades de vendas”, diz Marcos. “O elemento chave dessa estratégia está na escolha correta da frequência e volume de contatos. Estes devem ser criteriosamente selecionados para evitar a impressão de spam ou importunação. Quando bem implementado, este método pode estimular significativamente a movimentação na base de vendas, resultando em um retorno promissor. Portanto, é essencial equilibrar a comunicação, proporcionando valor e respeitando o espaço do receptor”, explica.

3. Click-to-WhatsApp

O recurso Click-To-WhatsApp é um botão nos anúncios do Facebook e Instagram que direciona clientes para uma conversa com a empresa no WhatsApp. Ele pode ser utilizado para alcançar diversas metas de negócios, como a geração de cadastros, promoção de vendas e execução de estratégias de marketing. O uso desse recurso potencializa a descoberta de produtos e serviços da empresa, ao mesmo tempo que oferece métricas para avaliar o desempenho das campanhas.

A Take Blip, por exemplo, em parceria com a Meta, desenvolveu o Click Tracker, uma ferramenta que avalia a performance desses anúncios e calcula o Retorno Sobre o Investimento (ROI). Com essa ferramenta, empresas como Stellantis e Direcional conseguiram aprimorar a experiência do usuário e aumentar suas taxas de conversão.

“Dessa forma, a estratégia Click-To-WhatsApp está revolucionando a comunicação entre empresas e clientes, criando conexões mais eficientes e abrindo novas oportunidades de negócios”, detalha Andrade.

4. Atualizações de transações

Soluções de marketing conversacional podem contribuir até na atualização de transações em diversos setores como e-commerce, delivery, suporte ao cliente e atendimento. Utilizando até Processamento de Linguagem Natural (NLP), essas soluções oferecem atualizações em tempo real sobre transações, assistência em compras online, respostas rápidas às consultas dos clientes e ajudam a resolver reclamações de forma eficaz. Com a disponibilidade 24/7 e a capacidade de gerir várias interações simultaneamente, estas ferramentas se tornam um recurso valioso para aprimorar a experiência do cliente e a eficiência operacional.

Segundo o executivo da 8D Hubify, um exemplo notável da eficácia dessas soluções é o chatbot “Lu”, do Magazine Luiza. “A “Lu” hoje no WhatsApp tem uma aplicação incrível no pós-venda que lida com questões como rastreamento de entregas, emissão de segunda via de boleto e nota fiscal, e informações sobre o status do pedido”, explica Andrade.

Segundo dados divulgados pela própria empresa, em apenas sete meses, a “Lu” atendeu a mais de 1,2 milhões de usuários em quase 1,3 milhões de sessões, com uma taxa de compreensão de mais de 94% das solicitações realizadas. “Esse caso demonstra a eficácia revolucionária do marketing conversacional na melhoria da experiência do cliente e na otimização das operações de negócios”, finaliza Marcos.

Share this Article